Boletim Informativo

Cadastre seu e-mail abaixo e receba nossos informativos:

» » » » Gestão de expatriados: o papel da área de Recursos Humanos.

Por Luciana Cardoso
O número de autorizações de trabalho concedidas a estrangeiros nos primeiros três meses de 2011 já é superior ao mesmo período de 2010.  Os dados fornecidos pela Coordenação Geral de Imigração (CNIg) e pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) demonstram um aumento de 13%, se comparado aos dados do mesmo período do ano passado.
As razões para esse aumento são diversas: pré-sal; aumento dos investimentos de estrangeiros no país; grandes eventos como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, dentre outros.
Será que as empresas e seus profissionais da área de Recursos Humanos estão preparados para gerenciar esta demanda? A prática tem nos mostrado que nem sempre. A ausência de um planejamento estratégico para nortear o processo de contratação de um estrangeiro já é uma constante em muitas organizações. A urgência muitas vezes atropela o processo e aspectos como a adaptação do estrangeiro e de sua família. Questões primordiais como a escolha de um local para residir e a busca de uma escola para os filhos ficam em segundo plano. O foco é ter o estrangeiro trabalhando o mais rápido possível.
A área de Recursos Humanos, em muitas organizações, é a responsável por conduzir esse processo e tentar buscar um equilíbrio entre as necessidades de cada lado o que, por vezes, transforma-se em um verdadeiro desafio.
No Brasil, são poucos os workshops, seminários ou cursos de extensão que forneçam uma visão acerca dos processos de expatriação e gestão de expatriados. Visando este gap, cada vez mais as organizações que convivem com o dia-a-dia da expatriação, prestadores de serviço neste segmento e órgãos públicos promovem encontros e eventos para debaterem o tema.
Formular uma política de expatriação pode ajudar na condução dos processos. Ela precisa englobar os principais aspectos da empresa como, por exemplo, a cultura organizacional e o que a empresa espera de retorno quando opta por uma expatriação. Por fim, pular etapas não é uma boa opção.
 
Fontes: UOL Notícias
              Conselho Nacional de Imigração – CNIg
          Ministério do Trabalho e Emprego - MTE
Luciana Cardoso, Consultora na área de imigração, Graduada em Relações Internacionais pela Universidade Candido Mendes com MBA em andamento em Gestão de Pessoas na FGV.

Postador Luciana Cardoso

«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe uma resposta

Primeiramente obrigado por acessar o Portal Gestão de Pessoas, e por participar deixando seu comentário ou pergunta.

Caso seja necessário estaremos moderando e respondendo seu comentário e/ou pergunta. Seja cordial no que escrever e veja se sua dúvida já não foi questionada e respondida em outros comentários ou artigos no site.

Agradecemos sua visita e volte sempre!

Vanderlei Moraes
Administrador do Portal