Boletim Informativo

Cadastre seu e-mail abaixo e receba nossos informativos:

Por Gerson Rodrigues

           
Liderança é um assunto que faz parte da vida do homem desde os mais remotos tempos. Melhor ainda: O exercício de liderar está presente no universo desde que as primeiras sociedades foram formadas. Desde a Era Mesozóica em seu período cretáceo se tem notícias de comportamentos sociais que redundam nas atitudes de liderar e ser liderado.


            Se tomarmos como exemplo um minúsculo animal: a formiga,  vislumbraremos uma sociedade estruturada em castas e hierarquias muito bem definidas: A Rainha (única fértil), os machos férteis (Reis) que morrem após a cópula, as operárias, que são estéreis e se subdividem para várias atividades. As que possuem mandíbula grande e são maiores que trabalham como soldados, defendendo o formigueiro. As formigas cortadeiro-carregadoras são de tamanho médio e trabalham cortando e coletando as folhas, carregando-as até a colônia. Há também as jardineiras que atuam dentro da colônia, cuidando dos fungos e das crias.

            Fica evidente pela descrição acima que a natureza dotou esses pequenos animais com uma inteligência básica que permite o exercício da convivência de uma forma mais harmônica e agradável. E isto só é possível porque eles praticam com maestria a liderança em seu cotidiano. E esse processo se repete em várias outras espécies. Ora, todos sabemos que tudo na natureza tem um propósito, que nada existe por acaso e que  todos os sistemas coexistem ou devem coexistir harmonicamente. Podemos inferir então que a liderança está presente em nosso planeta muito antes do homem, e que é intenção de Deus que suas criaturas sigam essa lógica natural e convivam em equilíbrio e harmonia. De fato, sem liderança, essa intenção não se realiza.

            Por que então, para o homem, o título deste artigo se aplica de forma contumaz? Por que, para nós, “pobres humanos”, exercitar a liderança é algo extremamente desafiador e doloroso por vezes? Se  integramos a natureza, e nela os meandros da convivência entre semelhantes são fluídos e naturais, porque em nossa espécie, essa naturalidade não se repete?

            Tenho dedicado minha vida ao estudo do comportamento humano, e, presunçosamente penso ter a resposta aos questionamentos anteriormente levantados. Convido-o a uma importante reflexão. É sabido que nosso córtex é disparadamente o mais evoluído entre todas as espécies de que se têm notícia. A ciência afirma que não há outro animal que tenha CONSCIÊNCIA da própria existência, a não ser o bicho homem. Possuímos instintos e emoções como tantas outras criaturas, mas o que nos difere de um chimpanzé  por exemplo é um atributo exclusivo denominado RAZÃO que tem suas funções neurobiológicas localizadas na casca superior desenvolvida através de milhares de anos: O neocórtex.  Somos especiais, escolhidos, diferenciados.

            No entanto, é justamente essa capacidade peculiar do ser humano que o torna tão confuso e desastroso em vários contextos e que impede o pleno exercício da arte de liderar. Em seu livro “Como se tornar um líder servidor”, James C Hunter assim define liderança: “A habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente visando atingir objetivos comuns, inspirando confiança por meio da força do caráter”. Perceba que é um belo conceito, que nos remete a valores, crenças, relacionamento, convivência equilibrada,  poder de persuasão, qualidades inconscientes. E tudo isto seria muito fácil de ser praticado, não fosse uma palavra inerentemente humana: SIGNIFICADO. As pessoas dão às experiências que vivem no cotidiano as mais diversas interpretações, e não há dois cérebros que interpretem um mesmo fato da mesma maneira. E essa capacidade é estritamente cortical, ou seja, reside no córtex. Na tentativa de coexistir, os membros de qualquer grupo (família, escola, empresa, sociedade) irão representar suas experiências em seus cérebros, formando mapas únicos, pessoais e intransferíveis. As experiências são compartilhadas, os significados não. É por isso que a PRIMEIRA GRANDE HABILIDADE de um líder humano deve ser: COMPREENDER como seus liderados estão INTERPRETANDO o que estão vivendo naquele exato instante. Uma vez que o “cabeça” de um grupo SAIBA o que se passa nos córtex de seus liderados, será mais fácil compreender as motivações de cada um, e assim, através da linguagem e de comportamentos personalizados, mobilizar atitudes entusiásticas para a consecução de objetivos comuns, inspirando confiança e resultados mensuráveis. Mesmo a palavra caráter apresentada na definição por James Hunter está submetida ao mapa de cada componente do time. A minha definição de caráter pode não coincidir com a sua... Se fôssemos membros da mesma equipe, poderíamos estar praticando comportamentos diferentes, ambos acreditando estar alinhados com o valor que sustenta nosso relacionamento.

            Em resumo, podemos mesmo afirmar que o BOM EXERCÍCIO da liderança começa com a “garimpagem” das mentes que formam o time para desvendar os segredos que estão cuidadosamente guardados na caixa craniana.


Leia mais: www.gentemais.com

Postador Gerson Rodrigues

«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Nenhum comentário:

Deixe uma resposta

Primeiramente obrigado por acessar o Portal Gestão de Pessoas, e por participar deixando seu comentário ou pergunta.

Caso seja necessário estaremos moderando e respondendo seu comentário e/ou pergunta. Seja cordial no que escrever e veja se sua dúvida já não foi questionada e respondida em outros comentários ou artigos no site.

Agradecemos sua visita e volte sempre!

Vanderlei Moraes
Administrador do Portal